Official website of the New England Patriots

Com a linha ofensiva a progredir, LeGarrette Blount é nomeado 'Jogador Ofensivo do Mês' na AFC

A derrota frente a Denver na final da AFC, em Janeiro, levantou muitas dúvidas sobre o valor da linha ofensiva do New England Patriots. Por isso, os fãs pretendiam que o treinador Bill Belichick fizesse mudanças drásticas no grupo pois o jogo de má memória em Denver mostrou dois pontos fracos: a incapacidade de proteger Tom Brady e a dificuldade em criar espaços para os running backs.

Quando o tackle Sebastian Vollmer foi colocado na PUP list em Agosto e o recém-chegado Jonathan Cooper também foi afastado devido a lesão, o panorama ficou ainda mais sombrio.

Mas, as três primeiras jornadas demonstraram que afinal a situação não é tão má como se previa. 

Nos últimos dois jogos a linha ofensiva tem tido registo muito positivo. Frente a Houston o jogo terrestre conseguiu 185 jardas em 39 corridas e o feroz* front seven* dos Texans, que se receava viesse a transtornar por completo o jovem Jacoby Brissett, conseguiu apenas um sack e raramente pressionou.

Mas, o mais impressionante é o que a equipa tem conseguido nas segundas partes. Frente a Miami, o running back LeGarrette Blount registou 92 jardas e um* touchdown* em 15 corridas e cinco dias depois, contra Houston, acrescentou 94 jardas e dois* touchdowns* em 17 corridas.

"Houve muitas jogadas, demasiadas jogadas, no ano passado onde não fazia diferença quem era o [running] back porque nós muito simplesmente não conseguíamos permitir que ele arrancasse, não conseguíamos dar-lhe qualquer tipo de espaço, não conseguíamos fazer com que o [running] back tivesse qualquer tipo de ímpeto," disse o treinador Bill Belichick após a vitória sobre Miami, reconhecendo assim que realmente a situação o ano passado tinha sido má, e que na presente temporada está a correr melhor.

Dante Scarnecchia conseguiu estabilizar o grupo

O que é que terá mudado? Para já, há que registar o regresso de Dante Scarnecchia, o coordenador da linha ofensiva que se tinha aposentado há dois anos e concordou regressar.

2156eefc976f480b87d9cf31dc643ec8.jpg

A sua capacidade, experiência e conhecimentos trouxeram estabilidade ao grupo. Para Scarnecchia uma das chaves para o sucesso desta unidade está precisamente na estabilidade, algo que não existiu o ano passado pois as lesões obrigaram os Patriots a utilizar 41 combinações diferentes na linha ofensiva. Nenhuma outra equipa utilizou mais do que 28. 

"Eu acho que [a estabilidade] é essencial. Acredito muito nisso," explicou Scarnecchia num diálogo travado com os jornalistas durante o estágio de pré-temporada. "Eles [Patriots] tiveram tantos jogadores a jogar em várias posições [no ano passado], e nós acreditamos na continuidade e em tentar manter os mesmos jogadores lado a lado tanto quanto possível. Nem sempre se pode fazer isso, [mas] eu acho que foi um grande problema no ano passado e espero que não fiquemos nessa situação este ano. [Vamos] continuar a trabalhar com os mesmos jogadores dia a dia, e esperemos que eles melhorem."

Como que em resposta a este pedido do treinador, o tackle esquerdo Nate Solder parece totalmente recuperado da lesão que o afastou durante algum tempo e frente a Houston fez uma das melhores exibições desde que está nos Patriots. Em disputa direta com Jadeveon Clowney, não permitiu que tocassem em Brissett e abriu imensos espaços para o jogo terrestre. Ao todo, os Patriots fizeram 20 corridas pelo seu lado, obtendo 106, jardas, incluindo o touchdown de 41 jardas.

"É o que acontece com a linha ofensiva, ninguém repara em nós a não ser quando as coisas não correm bem," disse Solder depois do final do jogo com Houston, referindo-se aos elogios que o grupo tem recebido recentemente. "Nós estamos a esforçarmo-nos bastante. Temos muito que melhorar mas temos um bom grupo, que se importa, e precisamos de registar muitas melhorias para chegarmos onde queremos. Por isso, vamos continuar a trabalhar e a fazer o melhor possível."

Uma escolha de quinta ronda em 2011, o tackle Marcus Cannon também tem estado em excelente forma, tal como Shaq Mason, escolha de quarta-ronda no ano passado.

Os jovens trouxeram nova vida ao grupo. O center David Andrews está apenas na sua segunda temporada, Joe Thunney na primeira, pelo que sob a direcção de Dante Scarnecchia decerto vão continuar a melhorar.

Os adversários já deram conta deste melhoramento registado no princípio da temporada, pois o jogo terrestre continua a ser o melhor da liga.

"Bem, eu acho que é assim, eu já joguei contra eles vários anos e vejo as mesmas coisas que vi há uma década," explicou Kyle Williams, o tackle defensivo de Buffalo, adversário de domingo. "Uma linha ofensiva física que joga duro e que não comete erros, um running back que bate em tudo nas corridas, um corredor resistente. Por isso vai ser um grande teste para nós. Não há dúvida sobre isso. O treinador [Dante] Scarnecchia faz sempre um ótimo trabalho com a sua linha-O [ofensiva] e eles não se derrotam a si próprios. Por isso temos que estar no nosso melhor e estar preparados para um jogo de football físico no domingo."

O jogo terrestre tem realmente impressionado. Nos três primeiros jogos os Patriots fizeram 108 corridas, totalizando 452 jardas, curiosamente com o mesmo número, 29, tanto no terceiro como no quarto período.

As estatísticas de LeGarrette Blount 

Por sua vez, LeGarrette Blount [seis pés (1,83 m), 250 libras (113,4 quilos)] lidera a NFL em corridas (75), jardas terrestres (298), jardas terrestres por jogo (99,3) e é um dos líderes em touchdowns (4), juntamente com Melvin Gordon de San Diego.

1cb716399fc6476c983a4e17e185cfc7.jpg

No curto espaço de cinco dias, nas vitórias sobre Miami e Houston, Blount teve 53 corridas para 228 jardas e 3 touchdowns.

Nestes três jogos fez mais de 20 corridas em cada, o que contrasta com o passado mais recente, pois desde 2013 só por quatro vezes tinha feito mais de 20 corridas por jogo.

"Foi muito bom, nós realmente precisávamos dele," disse Bill Belichick durante a conferência de imprensa de segunda-feira. "O LeGarrette tem muita habilidade, como vocês sabem. Ele é um back grande que tem uma boa rapidez, jogo de pés e equilíbrio e velocidade para uma pessoa do seu tamanho. Nós sentimos que se lhe conseguirmos abrir espaço, dar-lhe um embalo, ele tem muita capacidade para conseguir jardas sozinho."

Na realidade, segundo a ESPN, Blount é, de longe, o running back que consegue mais jardas depois do contato inicial, um total de 164, contra 119 de Ezekiel Elliott do Dallas Cowboys e 119 de DeAngelo Williams, do Pittsburgh Steelers.

"Ele tem trabalhado imenso, está em boa forma física, tem feito um bom trabalho a conseguir jardas no quarto período e na ponta final do jogo," concluiu Bellichick. "Ele não tem ficado desgastado nessas situações, por isso tem sido tudo muito positivo, e nós precisávamos disto."

"O LG [LeGarrette Blount] tem tido um número de jogos na sua carreira aqui connosco em que realmente tem feito um bom trabalho a correr com a bola, e conseguir fazer isso no espaço de apenas quatro dias torna-se sempre uma questão mais difícil quando tem feito muitas corridas, e depois tem de regressar e tornar a fazer mais na mesma semana, no espaço de quatro dias. Isso não é fácil de fazer," acrescentou o coordenador ofensivo Josh McDaniels

E até mesmo os adversários já notaram que há algo diferente no ataque deste ano. 

"Bem, é diferente obviamente porque no passado eles estiveram mais virados para passar a bola e coisas do género," observou Rex Ryan, treinador do Buffalo Bills. "Mas, obviamente, até mesmo nos passes tiveram oportunidades. Eles sempre foram muito eficazes no jogo terrestre, mas obviamente agora com Blount é, eu diria, um jogo terrestre acima da média."

Prémio é de todos

Quando foi informado que ganhara o prémio, Blount mostrou-se algo humilde e distribuiu os elogios pelos colegas.

"É uma honra, mas foi um esforço coletivo. Não foi só eu," disse Blount. "Sei que recebo a maior parte do reconhecimento, mas isso cabe também à linha ofensiva, vai dos tight ends ao full back, aos wide receivers. Todos eles desempenham um papel na forma como fui capaz de jogar."

"Preparo-me como sempre tenho feito. Tenho a certeza que estava preparado para [agarrar] a oportunidade, e eu sei que tenho um grande elenco de apoio aqui à minha volta. [São] oportunidades que se apresentam. Tu tens que saber aproveitá-las."

Blount aproveitou ainda para agradecer o apoio do seu treinador.

"Agora, eu tenho um bom relacionamento com o Bill [Belichick]. Eu amo o Bill até a morte," declarou Blount. "Ele sempre me protegeu desde o início, desde a primeira vez que eu o conheci. Eu gosto de tudo o que ele faz, respeito-o imenso. Acho que ele vai ser considerado o melhor treinador de todos os tempos."

Há quem sugira que esta série de jogos com mais de 20 corridas irá acabar quando Tom Brady regressar, mas Blount não se quer meter nesse tipo de conversa.

"Eu não sei. Vamos ver," respondeu Blount. "Nós agora jogamos de forma diferente. Se os jogos indicarem que teremos de correr com a bola, vamos fazê-lo. É só preciso atar as botas e fazer o que os treinadores disserem para fazer. Só vou ter a certeza que continuo a tomar as medidas necessárias para garantir que podemos continuar a ter sucesso, continuamos a ser uma boa equipa."

Desde 2004 que nenhum running back dos Patriots recebia este prémio, o último fora Corey Dillon. E na sua carreira Blount nunca conseguiu ter três jogos consecutivos com mais de 100 jardas no jogo terrestre. Será que o vai conseguir desta feita? Blount não está preocupado com isso, pois a sua filosofia é simples.

"Escutar o Bill [Belichick]... tão simples como isso."

This article has been reproduced in a new format and may be missing content or contain faulty links. Please use the Contact Us link in our site footer to report an issue.

Advertising