Official website of the New England Patriots

live
Patriots Pregame Show (audio only) Mon Dec 06 | 05:55 PM - 08:00 PM

Malcolm Butler recorda a jogada no Super Bowl e continua a trabalhar

Ninguém ainda se esqueceu da interceção de Malcolm Butler, na ponta final do Super Bowl, em Fevereiro de 2015, numa altura em que tudo indicava que o Seattle Seahawks ia conseguir o touchdown que anularia a vantagem de 28-24 e iria enviar o New England Patriots para a terceira derrota consecutiva em finais do campeonato da NLF.

Tom Brady tinha feito uma exibição sensacional para anular a desvantagem de 10 pontos no quarto período, mas Seattle marchou 79 jardas em sete jogadas que gastaram apenas um minuto e 36 segundos. A bola estava na linha de uma jarda dos Patriots e todos esperavam que fosse Marshawn Lynch, que havia acumulado 102 jardas em 24 corridas, a fazer o transporte até ao endzone dos Patriots.

Mas, por qualquer motivo, a equipa técnica de Seattle decidiu que a defesa dos Patriots estaria vulnerável para o passe e assim escolheu uma jogada em que Jermaine Kearse iria fazer a parede para impedir que Malcolm Butler conseguisse cobrir Ricardo Lockette, que assim ficaria isolado para receber o passe de Russell Wilson.

O problema para Seattle foi que Butler reconheceu imediatamente a jogada e assim que Wilson levantou o braço para lançar a bola, arrancou e conseguiu antecipar-se a Lockette, fazendo a interceção que assegurou a vitória dos Patriots.

Foram realmente cerca de dois minutos com uma montanha russa de emoções. Primeiro, o trabalho magistral de Tom Brady, finalizado com o passe para Julian Edelman, colocou os Patriots em vantagem, com apenas 2:02 por jogar e tudo apontava para a vitória da turma de Foxboro.

Mas, uma receção acrobática de Jermaine Kearse, na altura guardado por Butler, colocou a bola na linha de cinco jardas dos Patriots. Foi uma receção que fez lembrar o que fizera David Tyree na derrota frente ao New York Giants em Fevereiro de 2008.

Para milhões de fãs dos Patriots era a repetição do pesadelo.

"Os meus colegas estavam a dizer que 9 em 10 vezes, aquele passe é incompleto," disse Butler após o final da partida. "Foi devastador."

1d5bde7fcfed4cc4b2e6585ef9e5bd07.jpg

Felizmente, volvidas duas jogadas, Malcolm Butler salvou a noite, com uma intervenção sensacional.

"Eu tinha um pressentimento que ia fazer uma grande jogada e isso tornou-se realidade e sinto-me abençoado", disse Butler nas declarações prestadas a Michelle Tafoya, da NBC, no final da partida. "Neste momento, eu não consigo explicar. Eu estou apenas..."

Nada mau para um jogador que tinha sido ignorado no draft e que só assinou contrato depois de prestar provas em Maio. E mesmo naquele jogo, Kyle Arrington tinha sido o titular, mas a má exibição levou a equipa técnica dos Patriots a fazer a substituição e a apostar no rookie, Malcolm Butler.

Como o adversário de domingo é Seattle e esta é a primeira vez que estas duas equipas se tornam a defrontar desde o Super Bowl XLIX, a jogada foi tema de conversa com os jornalistas.

"Todos nós sabemos o que aconteceu. ... [Traz-me um sorriso] sempre que penso nisso, mas isso não nos vai ajudar a ganhar este jogo," disse Butler antes do treino de quarta-feira. "Isto é maior do que eu. Essa jogada não nos ajudará no domingo à noite, por isso temos que estar prontos para jogar."

MALCOLM BUTLER TEM EVOLUÍDO

Este comentário demonstra bem a maturidade e a evolução registadas por Malcolm Butler neste curto espaço de 21 meses. Na época passada gradualmente assumiu o papel de número 1 entre os cornerbacks dos Patriots e esse estatuto manteve-se este ano.

Nos últimos seis jogos, consentiu apenas 12 receções em 34 tentativas e na ]ultima jornada fez possivelmente a melhor exibição da temporada frente ao Buffalo Bills, onde só permitiu duas receções.

Para o treinador Bill Belichick a ascenção de Malcolm Butler, ignorado no draft depois de concluir a carreira universitária em West Alabama, a titular indiscutível dos Patriots não é difícil de explicar.

Malcolm Butler 3u5a8260.jpg

"Sem dúvida que o Malcolm [Butler] evoluiu bastante," disse Belichick. "Decerto a mudança de West Alabama ou do Mississipi, onde ele cresceu, para esta área, é um salto muito grande em termos de ajustamentos, estilo de vida, transição e tudo isso. Eu penso que faz parte disso, ir duma situação na faculdade até ao nível de competição a nível profissional, as exigências diárias da National Football League. Todos os jogadores têm que fazer essa transição."

Por sua vez Devin McCourty, um dos capitães da defesa, recorda-se que Butler, quando chegou aos Patriots, no Verão de 2014, "estava a aprender o que se estava a passar defensivamente, mas fazia jogadas. Para todos os elementos da defesa, isso deu logo nas vistas, quer fosse nas interceções, ou no desvio de passes, na luta homem-a-homem. Não importava contra quem era. Penso que foi isso que começou a notar-se. Ficava cara a cara na luta homem-a-homen contra o Julian [Edelman]. Ficava cara a cara com o [Danny] Amendola. A ideia que ficou foi que 'esse rapaz é bom.'"

"Tu vês uma cara nova chegar,Malcolm Butler de West Alabama, e é como, 'OK, ele fica aqui [só] para o estágio'. Mas, depois, ele continuou a fazer jogadas. Destacou-se imediatamente perante todos."

Já Matt Patricia, coordenador defensivo dos Patriots, considera que nestes três primeiros anos, Malcolm Butler tem tentado "obter uma boa compreensão sobre como a liga é, compreender como se deve preparar e como atacar o plano de jogo todas as semanas. Sem dúvida que ele tem melhorado imenso nesse aspeto."

"Realmente, a nossa concentração está em tentar que ele melhore. Nós queremos ter a certeza que ele está a melhorar em todas as coisas que ele tem [que fazer] dentro do campo, mas também fora do campo – na sala de reuniões, estar atento, tendo a certeza que está a estudar os adversários e a compreender o plano de jogo, compreendendo o plano global – que é algo que eu acho que qualquer jovem jogador, um rookie, um jogador novo no nosso sistema [deve aprender]. Leva sempre um pouco de tempo para assimilar esse ponto de vista holístico."

O progresso registado deve-se principalmente ao fato deMalcolm Butler ser uma pessoa humilde, que trabalha ao máximo e cumpre as instruções dos treinadores.

"Eu penso que em termos gerais o Malcolm [Butler] é muito humilde," considerou Bill Belichick. "Eu penso que essa é uma das coisas que [cativa] os seus companheiros e todas as pessoas à sua volta. Ele está confiante, trabalha arduamente, adora competir, mas ao mesmo tempo, ele é humilde em relação ao seu sucesso e à notoriedade que tem recebido, e não apenas devido a uma jogada, pois estabeleceu-se como um cornerback sólido na NFL. Penso que ele faz um bom trabalho em manter-se humilde e manter, da maneira certa, as coisas em perspetiva."

Este trabalho tem proporcionado uma evolução acentuada, pois o site 'Pro Football Focus' considera que Butler é o quarto melhor* cornerback* na liga.

"Mas eu tenho que continuar a trabalhar, fazendo tudo para ajudar a minha equipa a vencer, e tentar construir meu caminho e continuar a ser um jogador de futebol produtivo", disse Butler.

"Ele é um jogador muito bom. Ele é um bom jogador. Ele mostra-se realmente instintivo e agressivo e confiante. Faz um bom trabalho," concluiu Pete Carroll, treinador de Seattle.

This article has been reproduced in a new format and may be missing content or contain faulty links. Please use the Contact Us link in our site footer to report an issue.
Advertising

Latest News

Presented by
Advertising

Trending Video

Advertising

In Case You Missed It

Presented by
Advertising